Atualizado 12/03/2018

Conheça quatro revelações da música sertaneja em 2018

Nomes como Thiago Brava e Diego & Arnaldo começam a dominar as listas de músicas mais tocadas em aplicativos e rádios, e comprovam supremacia do gênero no país.

Cada vez mais sertanejo, o Brasil passa por um fenômeno curioso. Praticamente, todos os meses, surgem novas duplas, cantoras e cantores no embalo do sucesso dos antecessores. 

E, a cada ano, um novo estilo dentro do gênero aparece com mais força. Se 2017 teve a marca da sofrência, nomes fortes de 2018 mesclam de tudo um pouco, procurando espaço no disputado mercado musical do país. 

Segundo a Crowley, empresa que monitora a execução de canções em rádios de todo o país, das cem faixas mais tocadas em 2017, 88 são sertanejas. Para tentar entrar nesse filão, vale remontar às origens, com voz e violão, fazer parceria com referências no meio e voltar a apostar na sofrência.

Saiba mais sobre quatro nomes que despontaram nos últimos meses. E fique ligado porque, no sertanejo, tudo pode mudar!

 

Thiago Brava, o arrasa-quarteirão de 2018 

 

Maurício Antônio / Divulgação Thiago BravaMaurício Antônio / Divulgação

 

Dono do refrão-chiclete “Dona Maria, deixa eu namorar a sua filha”, que faz parte do hit Dona Maria, gravada com Jorge, da dupla Jorge & Mateus, o goiano Thiago Brava estourou no sertanejo nacional. Mas a sua carreira é recente, já que começou a cantar profissionalmente em 2012, quando gravou 360 O Arrocha do Poder

Em 2015, lançou o DVD Sempre Diferente. Porém, é inegável que o estouro se deu entre o fim do ano passado e o começo de 2018, quando Dona Maria inundou as rádios, o YouTube (cujo clipe tem mais de 200 milhões de visualizações) e outras plataformas, com mais de 25 milhões de audições no Spotify.  A música foi lançada em outubro de 2017 e integra o EP Um Violão e Uma Catuaba

— Acho que é por conta do nome. Não tem nada mais popular do que Maria! — disse o cantor, 31 anos, ao site do jornal Correio Braziliense.  

 

Consciência

No ano passado, ligado nas tendências, Tiago defendeu o respeito às mulheres ao lançar a canção Aquela que Você Respeita

— Tenho mãe, tenho namorada e trabalho com inúmeras mulheres. É impossível ignorar tudo o que vem sendo discutido e todos os desafios que elas enfrentam diariamente, na nossa sociedade. Está na hora de todos nós levarmos esse assunto a sério — afirma o cantor por intermédio da sua assessoria de imprensa. 

Compositor de sucessos, como Namora Bobo Lei do Desapego, sua mais recente aposta é a faixa Se For para Não Causar Eu Nem Vou. Sobre uma mudança no seu estilo - antes mais dançante e, agora, mais romântico -, ele explica ser fruto do seu amadurecimento. 

— Se você ouvir Lei do Desapego, é diferente de Dona Maria. Antes, as músicas pegavam mais um público de balada. Hoje, a abrangência é maior, como crianças, idosos, jovens e adultos — disse ao site OFuxico.

 

Nas paradas

— No levantamento da Crowley de fevereiro, o hit Dona Maria aparece em sexto lugar entre as cem mais tocadas no país, entre todos os gêneros. Em janeiro, era a primeira.

 

De volta aos bons e velhos tempos

 

Divulgação / Sony Music Diego (esquerda) e Arnaldo (direita): sucesso chegou rápidoDivulgação / Sony Music

Formada no fim de 2014, Diego & Arnaldo já comemoram um feito: em janeiro, assinaram contrato com a gravadora Sony Music. Antes de fundar a dupla, Arnaldo, 36 anos, integrava outra, e Diego, 30, seguia carreira solo.

Mas ambos já se conheciam por tocarem na noite de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, onde moravam na época.

— Terminei a minha dupla, eu já até havia parado de cantar. Mas eu estava admirado com o timbre vocal dele, diferenciado. E, quando você é picado pelo "bichinho do palco", não quer mais parar de cantar (risos)! Fiz o convite, e ele me disse: "Rapaz, sempre tive para mim que eu iria cantar com você" — recorda Arnaldo, por telefone, de Goiânia, onde a dupla mora.

 

De raiz

Com dois DVDs lançados, os amigos afirmam que um dos motivos de o sucesso ter chegado rápido é o fato de investirem no sertanejo de raiz. O mais recente DVD, Do Jeito que Nóis Gosta 2, que conta com a participação de Naiara Azevedo e João Neto & Frederico e foi lançado no fim de 2017, é 100% voz e violão. 

— Eu e Diego temos uma raiz muito sertaneja. Notamos que os sertanejos não estavam lançando nada "retrô" e decidimos investir em letras e harmonias verdadeiramente sertanejas, e em voz e violão. A linha atual de boa parte é mais melódica, pop, o que descaracterizou o gênero — avalia Arnaldo, natural de Ituiutaba, em Minas Gerais. 

 

Diego nasceu em Edeia, Goiás. Com 120 shows marcados para 2018, até o momento, a dupla comprova no palco a afirmação de Arnaldo. Um dos trechos do DVD, que traz um medley das faixas Não Precisa PerdãoPreciso Amar de Novo e Quero Provar que te Amo, é o típico sertanejo. Fala em amor e sentimento.

— E com aquele "agudo" rasgado no vocal — diz Arnaldo.

O próximo projeto será um DVD em parceria com João Neto & Frederico. No repertório, músicas e melodias clássicas.

NAS PARADAS

— A canção Se Eu te Procurar aparece em sétimo lugar entre as 100 mais tocadas no país, em fevereiro, entre todos os gêneros, conforme a Crowley.

 

Com a bênção dos padrinhos

 

Douglas Shindy / Divulgação Lucyana: mulherada é que assediaDouglas Shindy / Divulgação

Em 2015, a paulistana Lucyana Villar chamou a atenção de Leo, da dupla com Victor.  E ele produziu o primeiro disco da cantora. 

Além da participação da dupla mineira, o álbum trouxe outra dupla forte: Jads & Jadson. Estava dado o passo inicial para Lucyana despontar para o resto do país!

— Victor & Leo são muito importantes para a minha carreira. Assistia a muitos shows deles, quando ainda tocavam em barzinho, há uns dez anos. Dava umas palhinhas, mas nem imaginava que viveria de música! Quando ele (Leo) produziu o meu disco, senti que algo poderia mudar — comenta Lucyana, por telefone, de São Paulo. 

 

Inspiração 

Ainda adolescente,  ela se inspirou nos pais, Tadeu (já falecido) e Roseli, que integravam uma banda, para tentar o sonho da música. Mas, em 2017, ela começou a aparecer na lista das músicas mais tocadas no país, com a curiosa faixa Solterei

Conforme Lucyana, a composição surgiu em alguns de seus shows, quando rolavam algumas despedidas de mulheres casadas até então...

— Uma vez, uma mulher subiu no palco e explicou que elas estavam comemorando a despedida de casada de uma das amigas, igual despedida de solteira, sabe? Comentei essa história com uns amigos compositores, e vimos que a história tinha potencial — conta Lucyana.

 

 

Assédio delas

 

Aliás, ela diz ir no movimento contrário ao da sofrência de algumas sertanejas.

— Fiz questão de sair do que a mulherada vem fazendo. Todo mundo pode estar bem. Não é porque estou bem que a outra estará mal, as minhas canções vão por aí — afirma.

As mulheres, aliás, dão mais trabalho para a cantora no palco do que os homens, segundo a própria confessa:

— Homem não dá trabalho, não tive problema com eles. Elas dão trabalho, não medem esforço no assédio, nas redes sociais, nos shows. São mais atrevidas.   

NAS PARADAS

— Solterei aparece em 56º lugar, entre as cem mais tocadas no país, entre todos os gêneros, no levantamento da Crowley de fevereiro.

Fonte: GAÚCHA ZH
© Copyright 2017 - Rede Nossa Rádio, Todos os direitos reservados Desenvolvido por HZ Soluções