Atualizado 15/05/2018

Taison sobre convocação: "Eu não caí aqui por acaso"

Jogador do Shakhtar Donetsk, chamado por Tite, fala sobre a oportunidade de disputar o Mundial da Rússia e brinca com a frase

O meio-campista do Shakhtar Donetsk Taison, convocado pelo técnico Tite para a Copa do Mundo, falou sobre a emoção de estar garantido na disputa da principal competição do planeta, pela Seleção Brasileira. Entrevistado por Kelly Matos, Luciano Potter e David Coimbra, no programa Timeline, da Rádio Gáucha, o jogador ressaltou a temporada feita no clube ucraniano esta temporada, relembrou a infância difícil, cogitou um retorno ao Inter e até brincou com a frase imortalizada por Wianey Carlet: "Taison ou Messi: o tempo dirá quem foi o melhor".

Sobre a convocação:

"Eu não quis ver a convocação. Sempre que tem, eu fico meio assim, fico aguardando as mensagem dos amigos, não gosto de ver. Quando eu recebi a mensagem de parabéns dos meus amigos, namorada e familiares, primeiro eu chorei bastante. Depois pensei nos meus pais, que me criaram junto com meus 10 irmãos, em uma situação muito complicada". 

Sabia que seria convocado?

"Juro que não sabia que seria convocado. Eu fico na rua de um lado para outro, aguardando as mensagens. Ninguém passa nada antes. Tem que assistir até o final da convocação. Minha namorada, muinha mãe, que também não assiste - fica da mesma forma que eu, caminhando de um lado para o outro - quando ficaram sabendo que me avisaram e me parabenizaram".

Relação com Tite:

"Eu subi com o Tite no Inter, em 2008. Depois, eu fui para a Ucrânia e ele seguiu outros rumos.Eu fiz minha carreira aqui no Shakhtar e ele conquistou os títulos dele com o Corinthians. Jogamos uma vez, um contra o outro, em um pré-temporada, nos Estados Unidos. O meu melhor momento no Inter foi com o Tite. Eu fui goleador do Gauchão, da Copa do Brasil. O meu melhor momento no futebol brasileiro foi com ele. Ele pede para fazer algo e eu faço. Sempre corri e sempre marquei. A gente tem esse carinho um pelo outro. A confiança que ele tem em mim, é porque eu faço um bom trabalho no meu clube. Sou capitão do Shakhtar, jogamos Champions League, fizemos uma grande temporada. ".

Sobre críticas a Tite por tê-lo convocado:

"Entendo quem pediu outro nomes, aí no Brasil. Mas eu não caí na lista por acaso. Eu fiz por merecer, que eu sempre trabalhei, aceito as criticas. FIz muita coisa por merecer essa convocação, além disso, tem o conhecimento do Tite, sobre o quanto eu posso ajudar, desde 2008, quando eu treinava com o profissional, mas nunca jogava. Foi ele quem me escalou pela primeira vez no time titular". 

Preconceito com o futebol ucraniano:

"Tem tudo isso, sim. Tem gente que queria jogadores que atuam aí no Brasil, e eu entendo. Eu e o Fred, quem acompanhou a Liga dos Campeões, sabe. Fizemos uma excelente temporada no Shakhtar. Ganhamos do Manchester City, na Liga dos Campeões, quando eles estavam invictos. Respeito todo mundo, toda a imprensa e todos os jogadores que não foram chamados e que mereciam. Mas fiz uma temporada muito boa. Fiz por merecer". 

Lembranças da infância:

- As lembranças que eu tenho são de um guri trabalhador, criado em um bairro pobre, que a mãe e o pai deram uma ótima educação. Que poderia ter escolhido um outro caminho, mas não. Se eu contar toda a minha história de vida, o programa vai terminar. Fui pintor, pedreiro, flanelinha, enfim, saí de casa cedo para ajudar minha mãe. Já passei por muita coisa. Vi meu pai com problemas com álcool, vi meus irmãos brigadre, sai muito cedo de casa, com 13 anos. Muitas pessoas não sabem o que eu passei na minha infência e eu me orgulho de tudo que eu vivi. Ajudava minha mãe com 2 ou 3 reais que eu ganhava guardando carro, para que ela comprasse algo para casa. Minha mãe esperava em frenta a uma igreja, para as pessoas darem sopa para ela alimentar eu e meus 10 irmãos. Eu sou o oitavo, dos 11.

Taison ou Messi:

 Potter questionou o jogador, sobre o que ele faria se marcasse um gol contra Argentina e conquistasse o Mundia, o que ele faria em relação a comparação: 

- Aí a gente levanta o Wianey de novo - brincou. 

O próprio Shakhtar Donetsk, relembrou isso após um gol que eu marquei. Me compararam a um E.T.. Eu levo na esportivo, eu tenho uma camisa com essa frase. O Wianey foi uma pessoa que eu conheci e todos sentem falta. 

 

Volta ao Inter:

"Essa pergunta, geralmente, todo mundo faz. Eu quero voltar, mas é difícil. Se fosse por mim, eu já estaria aí. Tem muita coisa por fora ai. Vocês pensam que eu não sofro que nem vocês? Sofro junto. Quem sabe depois da Copa eu não volto".

Fonte: JORNAL CORREIO DO POVO
© Copyright 2017 - Rede Nossa Rádio, Todos os direitos reservados Desenvolvido por HZ Soluções