Atualizado 08/02/2019

Nicolás Maduro apela pela paz em carta dirigida ao povo dos EUA

EUA lideram coalizão de países que levará ajuda humanitária para a Venezuela. Grupo de Contato Internacional decidiu enviar uma missão técnica ao país.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, assinou nesta quinta-feira (7) uma carta aberta dirigida ao povo dos Estados Unidos pedindo pela paz em seu país e que o presidente americano, Donald Trump, tire suas "mãos" da Venezuela.

 

"Acabo de assinar pela paz, acabo de assinar pela soberania sagrada da Venezuela em apoio ao direito à independência, à autodeterminação", disse, após assinar a carta em um ato com simpatizantes no centro de Caracas.

 

No poder desde 2013, Maduro enfrenta o desafio imposto pelo chefe do Parlamento, Juan Guaidó, que há 15 dias disse ter assumido o Executivo interinamente diante do que ele classifica de "usurpação" do líder chavista. Iniciativa ganhou apoio dos Estados Unidos, além de vários países europeus e latino americanos.

Para Maduro, ele é alvo de um golpe impulsionado pelos Estados Unidos, que foram o primeiro país em reconhecer Guaidó como presidente interino. O país lidera uma coalizão de países que levará ajuda humanitária para a Venezuela do Brasil, Colômbia, e uma ilha do Caribe que não foi anunciada ainda.

O presidente venezuelano alerta aos americanos na carta que "os próximos dias definirão o futuro de nossos países entre guerra e paz".

 

"Seus representantes em Washington querem enviar às nossas fronteiras o mesmo ódio que enviaram ao Vietnã, querem invadir a Venezuela como fizeram em nome da liberdade", afirma no documento.

 

Maduro afirmou que a Venezuela não precisa dessa ajuda, e rejeita recebê-la argumentando que isso poderia levar a uma invasão armada para produzir uma mudança de governo.

A Venezuela passa por um colapso econômico que dificulta o abastecimento nos supermercados. Segundo a Assembleia Nacional venezuelana, a inflação no país em 12 meses chegou a 2.500.000%.

A ajuda humanitária enviada pelos Estados Unidos aguarda o desbloqueio de uma ponte entre Venezuela e a Colômbia, que foi fechada por militares leais a Maduro na terça-feira (5), segundo relato de um deputado da oposição ao líder chavista.

 

Grupo de Contato Internacional

Na quinta-feira, representantes de um grupo de países e da União Europeia se encontraram em Montevidéu, no Uruguai, e decidiram enviar uma missão técnica à Venezuela para avançar com o processo eleitoral como solução pacífica para sair da crise no país.

Grupo de Contato Internacional é composto por sete países que reconheceram Guaidó como presidente interino e o indicado para convocar eleições (Portugal, França, Reino Unido, Alemanha, Espanha Holanda e Suécia). A Itália é o único europeu que não reconheceu o chefe do Parlamento venezuelano.

Entre os quatro latino-americanos, dois países (Costa Rica e Equador, que pertencem ao Grupo de Lima, do qual o Brasil faz parte) reconhecem Guaidó. O Uruguai se anuncia como "neutro" e a Bolívia está alinhada com o regime de Maduro.

Para o ministro brasileiro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o encontro não é uma iniciativa útil e não deve prosperar.

“Ela parte da premissa da igualdade, entre o governo legítimo de Guaidó e a ditadura de Maduro. A exemplo do passado, essa iniciativa não deve prosperar, apenas retardar a ditadura de Maduro e criar dúvidas sobre o processo. Achamos que não é por aí. É pelo reconhecimento pleno do presidente Juan Guaidó”, explicou, durante coletiva na embaixada do Brasil em Washington.

Fonte: G1.GLOBO
© Copyright 2017 - Rede Nossa Rádio, Todos os direitos reservados Desenvolvido por HZ Soluções